Ushuaia (Tierra del Fuego)

Ushuaia é a cidade mais autral da Patagônia Argentina. Desbravar a cidade foi a realização de um sonho antigo para mim. Não há palavras para descrever a sua beleza. Apesar de ser uma cidade pequena, considero uma parada obrigatória para todos os amantes da natureza. A cidade foi o décimo quinto destino escolhido para ser desbravado na segunda etapa do Projeto Desbravando as Américas. Estive pessoalmente em todos os atrativos turísticos descritos abaixo.

Vale ressaltar que as fotos foram tiradas através de uma camêra fotográfica Cannon, emprestada, e por um celular Iphone 4S.

  • A cidade de Ushuaia foi fundada no ano 1884, pelo marinheiro argentino, de origem uruguaia, Augusto Lassere.
  • Ushuaia é a capital da Província de Tierra del Fuego, Antártida e Islas del Atlântico Sul.
  • Ushuaia é popularmente conhecida como “A Cidade do Fim do Mundo”, por ser considerada a cidade mais austral do planeta. 
  • Ushuaia é a única cidade argentina que localizada do lado ocidental da Cordilheira dos Andes. 
  • O nome Ushuaia provém do idioma yagán e significa “Baía Profunda ou Baía ao Fundo”.
  • As pessoas nascidas na cidade de Ushuaia são denominadas ushuaienses. 
  • Ushuaia possui o único porto argentino com saída para o Oceano Pacífico.
  • No ano de 2010, a cidade foi atingida por um terremoto de magnitude 6.3 na escala Richter.
  • Segundo registros históricos, os povos Ona e Haush, foram os primeiros habitantes da região há mais de 11 mil anos. 
  • Ushuaia encontra-se em 3° lugar no ranking das capitais provinciais menos populosas da Argentina.
  • Ushuaia é considerada a terceira cidade com melhor qualidade de vida da Argentina. 
  • A Ruta 3 é a única via de acesso terrestre para chegar até a cidade de Ushuaia. 
  • Ushuaia  possui irmandade com as cidades brasileiras de Santos e João Pessoa.
  • Van da empresa de transporte Montiel
  • Tempo de viagem: 3 horas
  • Valor da passagem em junho de 2016: ARS 390,00

Desbravando as Americas

  • Hospedagem no Hostel Backpackers El Refugio del Mochilero. Trata-se de um hostel, que funciona ao estilo de pensão, devido ao fato de receber muitos viajantes residentes temporários que buscam emprego na cidade. O local é ideal para interagir com viajantes de diversas partes do mundo. Super recomendado.
  • Valor da diaria em junho de 2016: ARS 230,00 em quarto compartilhado.
  • Contato: Paula 

Desbravando as Américas

Roteiro para 3 dias - O que fazer?

Ushuaia, a lendária Cidade do Fim do Mundo: observada de diferentes ângulos nos anos de 2016 e 2017:

 

Dia 1:

Museo Maritimo y del Presidio de Ushuaia: Inaugurados no ano de 1995, os museus estão instalados no interior do antigo prédio do primeiro presídio da Tierra del Fuego, que funcionou desde o ano de 1896 até o ano de 1947, recebendo os mais perigosos presos reincidentes de todo o território argentino. O local foi dividido em quatro espaços culturais interligados que contam, de forma dinâmica, a história da região. São eles: o Museo Marítimo, o Museu del Presidio, o Museo Antártico José María Sobral e o Museo de Arte Marino. No ano de 1997, o edifício foi declarado Monumento Histórico Nacional devido a sua grande relevância histórica e cultural…

Aberto ao público diariamente das 10h às 20h.

Valor da entrada em junho de 2016: ARS 150,00.

OBS: O ingresso dá direito a dois dias de visitação aos respectivos museus. 

Canal Beagle: Formado pelo degelo das glaciações ocorridas durante o período quaternário, há cerca de 2 milhões de anos, trata-se de um canal marítimo que conecta os oceanos Atlântico e Pacífico localizado na porção mais meridional do continente americano. O canal recebeu seu nome em homenagem à embarcação HMS Beagle, comandada pelo capitão Fitz Roy, que foi a primeira a navegar pelas suas águas pelos europeus no ano de 1830. Na segunda viagem da expedição ao canal, no ano de 1833, esteve a bordo da embarcação o famoso naturalista Charles Darwin, que avistou pela primeira vez um glacial com os seus próprios olhos. O Canal Beagle possui 280km de extensão e conta com inúmeras ilhas que pertencem aos territórios argentino e chileno. A maior de todas as ilhas é a Tierra del Fuego. Segundo evidências históricas, desde seis mil anos até o início do século XX, os povos canoeiros nômades originários, Kawesqar e Yámanas, navegavam pelas águas do canal até a sua total extinção devido às ações dos homens brancos. O local possui uma rica fauna marítima, sendo a centolla, uma espécie de crustáceo gigante, a mais famosa de todas devido a sua saborosa carne…

Cartel del Fin del Mundo: Inaugurado no ano de 1997, trata-se de um painel, esculpido em madeira, pela artista plástica argentina Elsa Zaparart. O emblemático cartel tornou-se mundialmente famoso por destacar que Ushuaia é a cidade mais austral do planeta, qualificando-a como a cidade do fim do mundo. Atualmente, a obra localizada próxima à entrada do porto é considerada um dos mais importantes símbolos da cidade, recebendo milhares de turista de diversas partes do mundo anualmente. Devido aos rigorosos invernos que assolam a região, a madeira que compõem o cartel encontra-se em processo de deterioração necessitando de reparos urgentes de restauração…

Galeria Temática Pequeña Historia Fueguina: Inaugurada em 2013, trata-se de uma galeria temática com um acervo composto por 36 cenários e 120 esculturas, em tamanho real, dos principais personagens históricos da Tierra del Fuego. O local permite aos seus visitantes uma apaixonante viagem ao passado da ilha de forma interativa e descontraída…

Aberto ao público de terça a domingo das 12h às 20h.

Valor do ingresso em junho de 2016: ARS 160,00.

Dia 2:

Parque Nacional Tierra del Fuego: Fundado em 1960, trata-se de um parque nacional argentino com aproximadamente 69 mil hectares de extensão, no qual apenas 2 mil hectares encontram-se aberto à visitação pública, sendo o restante do parque uma reserva natural restrita. O parque está localizado a 12 km a oeste do centro da cidade de Ushuaia e se destaca por ser um dos poucos parques nacionais argentinos a possuir costa marinha. O local abriga uma porção austral da famosa Cordilheira dos Andes, bosques fueguinos, lagos glaciários e uma rica fauna com animais exóticos como o condor andino, o colibri rubí, o beija-flor mais austral do mundo, e o zorro colorado fueguino entre outros. Durante o século XX, foram introduzidos no parque algumas espécies de animais provenientes do hemisfério norte, como por exemplo o castor americano, que se adaptou de forma memorável ao clima da região, e em pouco tempo transformou-se em uma praga por não possuir um predador natural na ilha…

Aberto ao público diariamente das 8h às 20h.

Valor da entrada em 2016: ARS 480,00

OBS: De 1° de maio a 30 de setembro, a visitação ao parque é gratuita, devido ao fato de algumas trilhas estarem bloqueadas devido as fortes nevascas que assolam a região. 

1. Bahía Lapataia: Formada pela ação de um enorme glacial que se desprendeu da Cordilheira dos Andes, durante as últimas fases do período quaternário, e avançou por um vale até se chocar com outro imenso glacial que estava localizado onde atualmente se encontra o Canal Beagle. A baía possui 6 km de extensão e uma profundidade máxima de 1600 metros. Segundo registros históricos, as margens da baía foram habitadas pelos povos originários Yámanas desde o ano 1700 A.C. até a chegada dos europeus no século XIX. A nomenclatura Lapataia significa “baía do bosque” segundo o dialeto yagán. No ano 1883, as margens da baía, foi construída a primeira indústria madeireira da cidade do Ushuaia. A mesma, utilizava as águas da baía para o deslocamento dos troncos para o centro da cidade através do Canal Beagle. Segundo o Tratado de 1984, assinado entre os governos da Argentina e do Chile, a baía pertence em totalidade ao território argentino. Na margem da Bahía Lapataia, encontra-se o quilômetro 3079 que determina o final da famosa Ruta 3 iniciada na cidade de Buenos Aires…

2. Laguna Verde: Formada pelo degelo de um grande glacial, durante as últimas fases do período quaternário, trata-se de uma peculiar lagoa com espelho d’água de coloração verde devido ao reflexo do relevo que a cerca. Desde um mirante, localizado as margens da lagoa é possível admirar a beleza das montanhas com picos nevados da Cordilheira dos Andes…

Desbravando as Américas

3. Centro de Visitantes Alakush: Inaugurado em 2008, sobre as ruínas do antigo edifício da hospedaria Alakush, que após sofrer um misterioso incêndio encontrava-se abandonado. O novo centro de visitantes foi construído com o objetivo de contar aos viajantes a história e a importância da criação do Parque Nacional Tierra del Fuego através de uma exposição permanente, além de possuir um guichê de informações turísticas, uma lanchonete, um restaurante e uma área dedicada a eventos particulares, como, por exemplo, casamentos. Desde a sua inauguração, o local recebeu milhares de viajantes de diversas nacionalidades, tornando-se assim uma parada obrigatória a todos que visitam o parque…

4. Lago Acigami: Conhecido até o ano 2008 como Lago Roca, em homenagem ao ex-presidente argentino Julio Argentino Roca, responsável por assinar o Tratado Abrazo del Estrecho, que colocou um fim definitivo ao Litigio Puna de Atacama com o governo chileno, o nome Acigami tem sua origem no dialeto yagán, falado pelos primeiros habitantes da região, e significa “cesta ou bolsa alargada”. O lago trata-se de um corpo de água binacional, no qual 1/3 encontra-se em território argentino e 2/3 em território chileno. Assim como os demais lagos da região, ele foi formado pelo degelo de glaciais durante as últimas fases do período quaternário. O lago possui 11 km de largura e uma profundidade máxima de 1,5 km em sua área central. 

5. Hito XXIV: Localizado a aproximadamente 7 km do início da trilha, na margem direita do Lago Acigami, trata-se do ponto limítrofe entre o território argentino e o território chileno naquela parte da Tierra del Fuego. O Hito XXIV é uma estrutura metálica cônica com um cartaz anexo, escrito em espanhol e inglês, que sinaliza aos visitantes sobre o fim da trilha e alerta para que não sigam adiante para não infringir as leis internacionais de entrar ilegalmente em solo chileno…

6. Castoreras: Introduzidos no sul da Patagônia Argentina no ano de 1946, os castores importados do norte do continente americano, tornaram-se um grave problema ambiental por não possuírem predadores naturais na região.  Em pouco tempo, os 25 casais de castores, se tornaram milhares modificando significamente a paisagem local, devido ao fato de cosntruirem barragens naturais que interrompem o fluxo natural dos rios e das clareiras formadas pelas árvores que os castores derrubavam de forma incontrolada. Atualmente, o governo argentino autorizou a caça dos animais, em algumas épocas do ano, com o intuito de controle populacional e as barragens tornaram-se um importante atrativo turístico da região…

Tren del Fin del Mundo: Inaugurado em 1994, no lugar do antigo Tren de los Presos, que funcionou entre os anos 1909 e 1954, levando lenha dos bosques do atual Parque Nacional Tierra del Fuego até o antigo presidio da cidade do Ushuaia. Atualmente, o Tren del Fin del Mundo funciona estritamente para o transporte de turistas percorrendo os últimos 8 km da ferrovia original. O atrativo tornou-se mundialmente famoso por ser considerado o trem mais austral do planeta Terra…

Aberto ao público de 01 de janeiro a 30 de setembro com saídas diarias às 9:30, 12:30 e 15h. 

Valor do passeio em junho de 2016: ARS 1.800,00. 

OBS: O ingresso ao Parque Nacional Tierra del Fuego não está incluído no valor do passeio. 

Dia 3:

Laguna Esmeralda: Escondida entre as montanhas e pelo imponente glacial Ojo del Albino, a Laguna Esmeralda se destaca das demais lagoas pela sua localização e pela coloração esverdeada do seu espelho d’água. Formada pela água de degelo do glacial, a laguna é considerada uma parada obrigatória para todos que visitam a cidade do Ushuaia. A paisagem do local muda de acordo com a estação do ano, tornando-a ainda mais atraente, proporcionando aos visitantes experiências únicas mais de uma vez…

Glaciar Martial: Localizado ao norte do centro da cidade do Ushuaia, o glacial faz parte da cadeia montanhosa conhecida como Montes Martial. Batizado em homenagem ao capitão da expedição cientifica francesa, Louis Ferdinand Martial, que montou acampamento no local com a sua equipe durante um ano, 1882 a 1883, com o objetivo de estudar o movimento de translação do planeta Vênus. O Glacial Martial é dividido em três setores, oeste, central e leste, sendo este último responsável por 78% do abastecimento de água potável para a cidade do Ushuaia. Segundo estudo recentes, o setor central corre o risco de desaparecer até o ano de 2020, devido ao aumento das temperaturas registradas no local durante a estação do verão durante os últimos anos. Durante a estação de inverno é possível realizar no local diversas atividades esportivas, como por exemplo, snowboard, tirolesas e esqui alpino, oferecidas de forma gratuita pelo Centro de Montaña del Glaciar Martial

Carimbo do Fim do Mundo: Registro simbólico oferecido aos visitantes da cidade do “fim do mundo”. O Carimbo é registrado no passaporte dos visitantes e pode ser obtido na Oficina de Informações Turísticas e em alguns atrativos credenciados…

Gastronomia:

Nhoque con Salsa Mixta:

Empanadas de Cordeiro Patagônico:

Ficou curioso (a) para saber mais sobre o que aconteceu nesta incível aventura? Não perca tempo e adquira já um exemplar do Livro “Desbravando as Américas” com dicas  espetaculares e relatos pessoais do meu desbravamento rumo ao Alasca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *